Bottom Article Ad


Super Interessante - Banho de Floresta e seus benefícios




A medicina antiga já atribuía propriedades curativas às árvores. Antigos já afirmaram que com certeza “que o cheiro da floresta onde se coleta piche e resina é extremamente benéfico para os tuberculosos e para aqueles que, após uma longa enfermidade, têm dificuldade de se recuperar".


Na Idade Média, os terpenóides presentes na atmosfera da floresta, em particular as coníferas, na forma de oleorresinas (esses metabolitos secundários encontrados na cânfora e na terebintina, são defesas químicas das plantas contra os herbívoros) contribuem para o tratamento concreto dos corpos enfermos nas famílias (analgésico, sedativo, broncodilatador, antitussígeno, anti-inflamatório, antibiótico e relaxante).

Curas selváticas foram desenvolvidas em certos países por vários séculos, e mais particularmente no século XIX e início do século XX para pacientes com tuberculose em florestas temperadas ou nórdicas. Sanatórios (e seu solário) e vários tipos de centros de saúde são instalados em ambientes florestais ou lacustres onde o programa terapêutico envolve longas caminhadas no pinhal.

Em 1982 a Agência Florestal do Japão propôs pela primeira vez integrar o Shinrin-yoku nas recomendações para um estilo de vida saudável.  Em 2012, o Dr. Qing Li e vários de seus colegas fundaram uma nova disciplina chamada "silvoterapia" (medicina florestal), uma ciência interdisciplinar "que se enquadra nas categorias de medicina alternativa, ambiental e preventiva, e que cobre os efeitos dos ambientes florestais na saúde humana.

Em 2020 no Japão, “existem 65 bases de terapia florestal certificadas pela associação japonesa Forest Therapy Society que também é o organismo certificador para guias de terapia florestal e terapeutas florestais, com cargos como controle médico, sob a supervisão da Universidade de Chiba e Escola de Medicina de Nippon em Tóquio.


Efeito tranquilizante...

O Instituto de Pesquisa de Produtos Florestais do Japão mostra em um estudo que o sangue das pessoas que caminhavam na floresta contém níveis muito mais baixos de cortisol do que o das pessoas que caminhavam a mesma distância na cidade. 

Esse hormônio é considerado um dos principais hormônios do estresse. Além disso, os pesquisadores também mediram a atividade mais baixa no lobo pré-frontal do cérebro, um sinal de um estado avançado de relaxamento. 

O tom verde do ambiente parece promover a cura; Roger Ulrich, que estuda o comportamento humano na Texas A&M University, observa que os pacientes se curam mais rápido quando seu quarto fica de frente para um espaço verde: eles precisam de menos analgésicos e sofrem menos náuseas. 

A presença de grandes plantas verdes também parece ter um efeito antiestresse, e algumas foram mostradas em laboratório como sendo muito eficazes na absorção ou decomposição de muitos poluentes urbanos ou do ar interno.

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Verdade! Uma cidade bem arborizada ajuda. Bom Conselho está muito distante do verde vivo.

    ResponderExcluir

"Os comentários publicados nas matérias não representam a opinião do Blog do Poeta, sendo a responsabilidade inteiramente de seus autores."