MALHADA DA CAIÇARA: O REFÚGIO DO GRANDE AMOR DE LAMPIÃO - CLÁUDIO ANDRÉ - O POETA

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Ultimas!

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

MALHADA DA CAIÇARA: O REFÚGIO DO GRANDE AMOR DE LAMPIÃO

Continuando com minhas andanças pelo norte da Bahia, fomos até o povoado Malhada da Caiçara, distante de Paulo Afonso (a terra da Energia), cerca de 40 quilômetros. Por lá ouvi muitos relatos da passagem do Cangaço na região, como por exemplo, o surgimento do romance de Maria Bonita e Lampião, que perdurou por apenas 07 anos. 

Para chegar e conhecer a casa museu Maria Bonita, andamos por 15 km de estrada de terra em bom estado de conservação. Foi nesse local que o rei do Cangaço encontrou o grande amor da vida dele, porque até então não tinha mulher associada a vida dele. Há divergência no número de filhos que o casal deixou, um ou três.

Impressionante que o governo municipal de Paulo Afonso/BA, cuida das estradas vicinais para que elas fiquem trafegáveis, diferentemente de municípios onde o gestor fica somente com balela. Em todos os sítios e povoados do município de Paulo Afonso tem internet de qualidade para todos de graça.

A casa museu Maria Bonita é administrada e cuidada pelos familiares da cangaceira que viveu até seus 27 anos de idade. Maria Bonita nasceu em solo paulo-afonsino no dia 08 de março de 1911. Quem visita o a casa museu se depara com a chegada da tecnologia, ou seja tem wifi e internet gratuitamente. Mesmo passando por uma recuperação na década de 90, a casa não perdeu sua originalidade.

No povoado Malhada da Caiçara, na zona rural de Paulo Afonso, vivem 30 famílias (cerca de 150 pessoas), todos parentes de Maria Bonita. A comunidade rural produz milho, feijão, melancia e pipino. A Malhada do Caiçara tem uma escola municipal de primeiro grau, as famílias tem ajuda do governo federal através do Bolsa Família, a região fica no norte do estado da Bahia e na divisa de dois municípios. Há 16 km está Santa Brígida, há 15 km está a rodovia estadual BA-210 que da acesso a outras rodovias que dão destino a outras regiões do País. 

Conta a história que em 1931, ao parar em Paulo Afonso, na Bahia, Lampião conheceu Maria Déa, que tinha vinte anos de idade. Maria Bonita já estava separada do primeiro marido, Zé de Neném. 
No primeiro olhar de Lampião, algo forte sentiu por Maria Bonita, porém, os dois não tiveram muito contato. 
Conta-se que Lampião sabia ser bom no gatilho, menos na paquera, mas descobriu que Maria Bonita era rendeira, mandou comprar alguns metros de tecido e pediu pra ela fazer uns lenços (tipo cachecol) e que em 30 dias voltaria para pegar... E assim ocorreu! 
Daí por diante, eles começaram a se conhecer e namorar, tudo sob a custódia da mãe dela, dona Maria Joaquina ou Déa como a chamava.
Maria Gomes de Oliveira, conhecida como Maria de Déa ou Maria Bonita, foi assassinada no município de Poço Redondo/SE28 de julho de 1938, na Grota de Angico, juntamente com Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião e outros nove cangaceiros. Maria Bonita foi a primeira mulher a participar de um grupo de cangaceiros
Nesse período, Virgulino e Maria Bonita estavam contaminados de paixão, eis o motivo dela ingressar no Cangaço e ficar mais próxima do seu amado.

Nas próximas postagens teremos outros relatos históricos... Aguardem!

PATROCÍNIO




  





Nenhum comentário:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE