Petrobras reduz preço da gasolina em 5% a partir de sábado; diesel cai 3% - CLÁUDIO ANDRÉ - O POETA

Ultimas!

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

sábado, 28 de março de 2020

Petrobras reduz preço da gasolina em 5% a partir de sábado; diesel cai 3%


A Petrobras anunciou nesta sexta, 27, novos cortes nos preços da gasolina e do diesel, segundo a queda das cotações internacionais do petróleo. Os elevados estoques de postos e distribuidoras, porém, devem retardar ainda mais os repasses aos consumidores, que já vêm em ritmo lento desde o início do ano.

A partir deste sábado, 28, a gasolina vendida pelas refinarias da Petrobras estará 5% mais barata. É o nono corte do ano, o quarto em apenas 15 dias, período em que começaram a se intensificar pelo mundo as restrições à mobilidade das pessoas para combater a pandemia do coronavírus.

O preço do diesel cairá 3%, no oitavo corte do ano – o terceiro nas últimas duas semanas. Com as mudanças, o preço da gasolina já acumula queda de 43% nas refinarias. O diesel caiu 31%. Nas bombas, até a última sexta, 20, o repasse havia sido de apenas 1,5% para a gasolina e 4,4% para o diesel.

A queda abrupta no consumo de combustíveis após o início das medidas de isolamento social no país é apontada por executivos e especialistas como um entrave para repasses mais rápidos neste momento, já que os postos e distribuidoras têm dificuldade para desovar estoques antigos.

Estimativas do setor apontam que a redução do tráfego de veículos nas cidades brasileiras reduziu em 50% a 60% as vendas de combustíveis automotivos, como gasolina e diesel. O consumo de diesel tem redução menor, em torno de 20%, já que o transporte de cargas permanece em operação.

Com tanques cheios, postos estão suspendendo pedidos às distribuidoras de combustíveis. Essas, por sua vez, já começaram a negociar redução ou até mesmo suspensão no bombeio de produtos das refinarias da Petrobras para suas bases sem o pagamento de multas contratuais.


Catual

Nenhum comentário: