Um terço das cidades de Pernambuco estão em situação de emergência (por Piúta) - CLÁUDIO ANDRÉ - O POETA

Ultimas!

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

Um terço das cidades de Pernambuco estão em situação de emergência (por Piúta)



                Nosso Estado tem 185 municípios, destes, 61 estão no decreto de emergência baixado pelo Governador do Estado no último sábado. Nele estão praticamente todas as cidades do agreste pernambucano. Na nossa microrregião estão Garanhuns, Bom Conselho, Iati, Saloá, Lagoa do Ouro e Correntes, entre outros.
                A decisão do Governo do Estado é um mecanismo que busca garantir ajuda para as cidades em decorrência da escassez de chuvas e água e pela falta de capacidade das cidades enfrentarem a situação sem a ajuda dos entes de governo.
                Os dois pontos que servem de parâmetro para a decisão governamental já foram discutidos aqui na nossa coluna mais de uma vez. O primeiro deles, a limitação da disponibilidade de água, tem sido recorrente em nossos comentários. Do mesmo é o segundo, que trata da fragilidade da economia dessas cidades e a dependência delas dos poderes centrais do Estado e Federal.
                Em Bom Conselho, mesmo com a maior parte do município enfrentando ano a após anos dificuldade com recursos hídricos, ainda temos a fábula urbana de que temos abundância infinita de águas na região da mata. Há poucos dias falei sobre isso, pois não é certa essa definição e pior, qualquer um que ande pelos sítios da região da mata é fácil observar que as pequenas nascentes ou “minações”, como chamamos, estão secando e outras têm uso desordenado. Ou seja, acompanha-se a degradação da situação sem que sejam avaliadas medidas por qualquer autoridade para preservar e conscientizar sobre a importância de cuidar do que ainda temos.
                No campo econômico a fragilidade de cidades como a nossa é um desafio a ser pensado. É possível que poucos saibam, mas Bom Conselho, que é a segunda economia do Agreste Meridional, tem renda média per capita de seus habitantes de R$ 500,00 mês, o que é muito pouco e desautoriza a qualquer entendido que ouse questionar a existência de políticas sociais para a região com a finalidade de conceder benefícios a quem não tem renda.
                A escassez de água, de recursos naturais e a fragilidade econômica que tornam municípios vulneráveis e incapazes de prover soluções em épocas de crise é um desafio a ser pensado e enfrentado por gestores de cidades como a nossa, pois há soluções possíveis e há muitos exemplos de regiões áridas que produzem riqueza.
por Piúta

Nenhum comentário: