SER PROFESSOR É DOAÇÃO, DEDICAÇÃO E DESAFIO (por Piúta) - CLÁUDIO ANDRÉ - O POETA

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Ultimas!

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

terça-feira, 15 de outubro de 2019

SER PROFESSOR É DOAÇÃO, DEDICAÇÃO E DESAFIO (por Piúta)

Ser professor é doação, dedicação e desafio, diz Piúta.
Hoje o nosso bate-papo é um agradecimento àqueles que se doam para orientar, ensinar, educar e formar pessoas: os Professores. 
    Nos dias atuais a missão de ser professor em muitas partes do país tem sido um ofício difícil e perigoso. Difícil em decorrência da incompreensão e desequilíbrios que marcam o mundo atual, onde os valores se tornam pueris e pais renunciam a tarefa de orientar seus filhos.

Perigoso nas grandes cidades como Rio de Janeiro, São Paulo, Recife e muitas outras onde o risco é de vida. Realidade vivida por aqueles que aceitam o desafio de trabalhar como professores públicos em escolas sucateadas em regiões em guerras pela disputa do território.
    O Dia dos Professores é de dizer sobre a ausência de políticas públicas capazes de transformar a realidade da educação no país. É de ser solidário com os professores quanto ao direito de ensinar sem perseguição. É de reconhecer que a transformação somente acontece com capacidade crítica, que somente é possível com a liberdade de ensinar e de pensar. É ainda falar sobre o descaso com a retribuição, que está entre as menores quando se compara com outras profissões.
    No dia dos professores reconheço com alegria os ensinamentos e que foi na escola onde recebi orientações que contribuíram decisivamente para mudar a vida e realizar uma carreira profissional de sucesso. 
    Hoje lembrei uma passagem do “Livro Bocas do Tempo”, do Escritor Eduardo Galeano, que dá um exemplo do é ter capacidade visual, mas não conseguir enxergar as letras. O título da historieta é “Mão-de-obra” e diz:
“– Mohammed Ashrat não vai à escola. Desde que sai o sol até que a lua apareça ele corta, recorta, perfura, arma e costura bolas de futebol, que saem rodando da aldeia paquistanesa de Umar Kot para os estádios do mundo.
     Mohammed tem onze anos. Faz isso desde os cinco.
Se soubesse ler, e ler em inglês, poderia entender a inscrição que ele prega em cada uma de suas obras: esta bola não foi fabricada por crianças.
    O texto fala por si e revela a importância da educação. Para professores e professoras o reconhecimento pelo trabalho que fazem.

Nenhum comentário:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE