A HISTÓRIA DA CASA, DA SERRA E DE MARIA BIÉ DA LAGOA DE SÃO JOSÉ/PE - CLÁUDIO ANDRÉ - O POETA

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Ultimas!

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

quarta-feira, 24 de julho de 2019

A HISTÓRIA DA CASA, DA SERRA E DE MARIA BIÉ DA LAGOA DE SÃO JOSÉ/PE

Na trilha ecológica que realizei dias atrás na região do distrito de Lagoa de São José, estive conhecendo as histórias do lugar e das pessoas que fizeram parte da comunidade. Na imagem acima estão os restos da casa onde morou a costureira Maria Caetano de Oliveira Juvino, que era mais conhecida por Maria Bié, que faleceu no dia 23 de janeiro 2012, aos 72 anos de idade.

Da antiga casa de Maria Bié, você tem uma vista panorâmica da mata existente por trás da casa. A serra recebe o nome de Maria Bié em homenagem a sua história de vida. Ela, filha do Mestre Bié, ferreiro mais antigo do distrito de Lagoa de São José, que veio a falecer aos 81 anos de idade.

Do alto da Serra Alta que pertence ao senhor José Alves que mora na Lagoa de São José, tem uma vista indescritível da serra do Salgadinho, onde se forma um grande vale.

Do alto da serra de Maria Bié, você pode ficar vislumbrado com a beleza do afloramento rochoso conhecido como Serrote do Vento, zona rural de Estrela de Alagoas. Durante a longa caminhada, descobrimos que dona Maria Bié, nasceu no sítio Jiquiri próximo ao sítio Olho d'água dos Crentes e aos 07 anos foi morar em Lagoa de São José juntamente com sete irmãos.

Nesse ponto da serra de Maria Bié, meu GPS marcou 695 metros de altitude. Por essa imagem você tem a dimensão da altura e ideia de como se formou esse grande vale. 

Um vale é um acidente geográfico cujo tamanho pode variar de uns poucos quilômetros quadrados a centenas ou mesmo milhares de quilômetros quadrados de área. É tipicamente uma área de baixa altitude cercada por áreas mais altas, como montanhas ou colinas.

Próximo a antiga casa onde morou a costureira e que trabalhou por um bom tempo na casa do ex-vereador Da Luz, dona Maria Bié, está a roça de José Godete, primeiro padeiro do distrito de Lagoa de São José. Veja que o solo escuro em cima da serra Alta é preparada para o plantio de milho, feijão e andu.

A alta altitude faz com que a camada mais úmida da nuvem se aproxime da serra deixando um clima ainda mais frio. Segundo relatos históricos de familiares de dona Maria Bié, quando eles moravam nessa serra a casa servia de refúgio na época das enchentes.

Por esse vale que tem o encontro do Riacho das Pombas e Grota da Jiboia, há várias nascentes e muita vegetação de altitude.

São muitas as árvores frondosas, como a cajarana, mulungus, juazeiros e tantas outras. Encontrei durante a trilha ecológica, mangueiras e cajaranas mortas, resultado de fungos que penetraram as raízes das árvores. A palavra Cajarana tem origem do tupi, significa "o que se parece com o cajá".
Maria Caetano de Oliveira Juvino - Maria Bié

Essa era a costureira, dona Maria Bié, que fazia roupa para os moradores do distrito de Lagoa de São José e para a região do sítio Salgadinho. 

A DOENÇA 
Em 2002 o esposo de Maria Bié, José Matias Juvino - Zé Jovino, foi diagnosticado com câncer, a família teve que vender o sítio e ir embora morar em Bom Conselho, já no ano de 2004. Em dezembro de 2005 ele faleceu. Dona Maria Bié em 2010 também foi diagnosticada com câncer e veio a falecer em 2012.

Em contato com a redação desse blog, uma das filhas de dona Maria Bié, Edna, informou que a mãe aproveitou a vida até o último momento gostava de dançar .

O COMPORTAMENTO
Acrescentou ainda que Maria Bié, quando estava viva, aos domingos gostava de fazer caldo de mocotó e a casa era cheia. O povo da Lagoa de São José gostava de ir para o sítio  por que sempre tinha  uma pinga para tomar.

Finalizando, a ideia do projeto Poeta Viagens e Aventura é também essa, ouvir histórias de pessoas importantes dos locais que passamos registrando não somente as belezas naturais, mas as lendas, contos, histórias do povo simples que mora no mato, nos sítios, nos povoados...

EM BREVE VEM MAIS HISTÓRIAS POR AÍ!

Um comentário:

Adelma juvino disse...

Bom dia Cláudio André,
Sou Adelma, uma das filhas de Maria bié,
Moro em São Paulo, mais todos os anos vou visitar minha família aí em Pernambuco e Alagoas, estou muito feliz por você ter contado um pouco da história da minha mãe, uma das pessoas mais querida da região de Lagoa de São José, você como sempre arrasando nas reportagem, nas notícias, e nas histórias, muito obrigada por contar um pouco da história da minha mãe, GRATIDÃO...um ótimo trabalho pra você, sucesso👏👏👏

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE