TURISMO: A VEGETAÇÃO DA CAATINGA NO RIACHO DA LUIZA NO MUNICÍPIO DE VENTUROSA/PE - CLÁUDIO ANDRÉ - O POETA

Ultimas!

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

domingo, 2 de setembro de 2018

TURISMO: A VEGETAÇÃO DA CAATINGA NO RIACHO DA LUIZA NO MUNICÍPIO DE VENTUROSA/PE

A VEGETAÇÃO ENCONTRADA NO SITIO RIACHO DA LUIZA
Por mais de uma hora fizemos a trilha do Urubu, no sítio Riacho da Luiza, zona rural de Venturosa, agreste meridional de Pernambuco. Com uma temperatura acima dos 30 graus e uma vegetação do bioma caatinga, o mandacaru que é uma planta nativa e que suporta altas temperaturas, não deixa de mostrar a sua vivacidade.

As plantas epífitas, como bromélias, orquídeas, imbés, cactos e muitos outros que costumam usar as árvores como mero suporte para obter mais luz, umidade e nutrição, não roubam, de forma alguma, nutrientes ou água da árvore. As plantas que realmente fazem isso são geralmente denominadas de “erva-de-passarinho”. Uma lenda muito difundida  mesmo entre aqueles que gostam da natureza é sobre as plantas que vivem nas árvores serem parasitas.

A Caatinga é uma formação vegetal que pode ser encontrada na região do semi-árido nordestino. Está presente também nas regiões extremo norte de Minas Gerais e sul dos estados do Maranhão e Piauí. Logo, é típica de regiões com baixo índice de chuvas (presença de solo seco).

A imburana de cheiro é também conhecida pelo nome de cumaru-nordestino também designado por outros nomes populares, é uma árvore característica dos biomas de caatinga e cerrado do Nordeste brasileiro, mas que também pode ocorrer em áreas de Mata Atlântica até o estado de São Paulo. A imburana serve para o tratamento de doenças do aparelho digestivo.

Quando a folhagem dos pés de angicos cai, deixa o solo coberto por uma camada avermelhada. Denominam-se de angicos, várias espécies de leguminosas-mimosoídeas de folhas miúdas, frutos alongados do tipo vagem ou legume (não confundir com legumes da alimentação), com sementes redondas e achatadas. 

Assim, temos o angico-rajado (Parapiptadenia rigida), o angico-branco (Anadenanthera colubrina), o angico-do-cerrado (Anadenanthera falcata), o angico-vermelho (Anadenanthera macrocarpa), entre outras espécies próximas.

Popular no Brasil, o angico é uma árvore do gênero Piptadenia. Conhecida pela qualidade de sua madeira, a planta é muito utilizada na fabricação de móveis e de outros objetos que a tem como sua principal matéria-prima. Porém, recentemente, alguns estudos têm comprovado suas propriedades medicinais, que são capazes de atuar no organismo eliminado doenças e tratando outros problemas de saúde.

A macambira é uma planta da família das bromeliáceas, do gênero Bromélia. Possui vários usos que vão desde a utilização da planta para evitar a erosão, até como alimento para o gado.

O Cabeça de Frade é um cacto de forma cilíndrica, com costelas bem acentuadas, com espinhos marrons numerosos, mas curtos e direitos. À medida que cresce pode tomar a forma de uma pirâmide e na maturidade desenvolve uma cabeça no topo, chamada de cephalium, coberta de espinhos bem pequenos, delgados e vermelhos. Entre os espinhos nascem pequenas flores rosadas ou vermelhas.

O Xiquexique é um cacto endêmico do semi-árido brasileiro. Seu caule suculento tem uma consistência macia que reserva muita água e é protegido por espinhos fortes. Em secas prolongadas, serve como fonte de alimento tanto para o homem quanto para os animais de criação. É queimado para retirar os espinhos e oferecido ao gado como complemento ou muitas vezes como única fonte de alimento. Manuseado com cuidado, retirando-se espinhos (descascando), pode-se mascar a polpa e consumir a água lá reservada.

Quantas formigas teria nesse formigueiro? Geralmente, há famílias com formigas que vivem e pode variar de várias dezenas a vários milhões de indivíduos. Por exemplo, em formigas errantes em uma família, há de 2 a 20 milhões de formigas. Um pouco sobre como formigas vagando ao vivo, você pode ver o vídeo. Quase todas as formigas vivem em formigueiros, que eles mesmos constroem, ou os transformam em várias cavidades no solo, madeira, debaixo de pedras ou na habitação humana. A vida das formigas em um formigueiro é muito organizada e ordenada.

A vegetação é formada por plantas adaptadas ao clima seco, em que ocorrem poucas chuvas. As principais espécies são o Mandacaru, o Xique-xique, a Aroeira e a Braúna. As únicas árvores que não perdem as suas folhas durante o intenso calor são o Juazeiro e alguns tipos de palmeiras, pois suas raízes conseguem encontrar água no subsolo.

Esse é o cume do lajedo do Urubu, uma rocha granítica com um comprimento de quase um quilômetro de extensão. Em cima dele existem alguns caldeirões que no período de chuvas forma-se pequenos poços, daí, o cognome de Caldeirão do Urubu, ave rapina que vive na região, juntamente com o gavião.

O sistema brasileiro de classificação de solos define o solo da caatinga como raso rico em minerais, mas pobre em matéria orgânica devido às características da região. Ainda define esse solo como pedregoso, com fragmentos de rochas na superfície. Por isso, dificilmente armazena as águas das chuvas.

É assim que vamos estudando, aprendendo in loco, tudo sobre as belezas naturais dos nossos sertões. No município de Venturosa, já conhecemos o Parque Municipal da Pedra Furada, a Casa de Pedra, a Pedra do Boi, a Pedra do Letreiro, o Lajedo da Luiza e agora, o Caldeirão do Urubu.
E não vamos parar por aí! 
Acompanhado do amigo Gui, morador da região, visitando o Caldeirão do Urubu em Venturosa/PE.
O projeto Poeta Viagens e Aventura segue firme e forte. Enquanto uns pobres mortais, deixam de se ocupar com coisas importantes, e ficam falando asneiras contra o Poeta, nós, digo, eu, estou focado em uma nova aprendizagem e qualificação profissional, afinal, ser livre e independente é muito mais prazeroso.

AGUARDEM A PRÓXIMA POSTAGEM!

Nenhum comentário: