O ENCONTRO DOS RIOS PAPACACINHA, CABORGE E PARAÍBA DO MEIO ACONTECE EM BOM CONSELHO - CLÁUDIO ANDRÉ - O POETA

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Ultimas!

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

O ENCONTRO DOS RIOS PAPACACINHA, CABORGE E PARAÍBA DO MEIO ACONTECE EM BOM CONSELHO

Dias atrás, a reportagem do Blog do Poeta localizou a nascente do rio Paraíba do Meio, dessa vez, o desafio foi localizar quais rios dentro da zona rural de Bom Conselho que deságuam nesse importante rio. O rio Papacacinha nasce entre os sítios Pires e Mata Verde (região do distrito de Lagoa de São José), atravessa a cidade de Bom Conselho e se encontra com o Paraíba do Meio há menos de 100 metros do distrito de Barra do Brejo.

No distrito da Barra do Brejo, zona rural de Bom Conselho, próximo ao município de Lagoa do Ouro, os rios Papacacinha e Caborge deságuam no rio Paraíba do Meio. In loco, vimos que o assoreamento as margens dos rios tem provocado danos em todo o percusso dos rios. O desmatamento das florestas ainda existentes, tem tirado a vida dos riachos e rios. O rio Caborge nasce no sítio do mesmo nome, há poucos metros do centro da cidade, a caminho do distrito de Caldeirões dos Guedes.

O rio Paraíba do Meio nasce perene, e no seu percusso até chegar a foz da Lagoa Manguaba em Pilar, que fica há 40 km de Maceió, capital de Alagoas, fica temporário. Esse acúmulo d'água existe logo quando se encontra com o rio Caborge, já que o referido rio tem características perenes.

Nesse trecho do rio Paraíba do Meio, há menos de 100 metros do distrito de Barra do Brejo, há pequenos caldeirões d'água servindo de criatório de peixes. É fácil localizar nesse local do rio, muitos caramujos, que podem provocar a doença conhecida pelo nome de Esquistossomose.

Veja como está o rio Paraíba do Meio no entorno do Distrito de Barra do Brejo. Esgotos escorrem para dentro do rio além de encontrar os caramujos ou planorbídeos que vivem na água doce de córregos, riachos, valas, alagados, brejos, açudes, represas ou outros locais onde haja pouca correnteza. Muitas espécies são marinhas.

O rio Papacacinha em alguns locais de seu leito ainda existe água, porém, o assoreamento vem sufocando o rio. A falta de preservação da mata ciliar e de projetos de proteção pelo poder público, tem provocado a morte de várias nascentes na zona rural de Bom Conselho. Nesse trecho do Papacacinha antes de se encontrar com o rio Paraíba do Meio é de se lamentar.

O rio Paraíba do Meio em trechos tem poças d'água, em outros trechos, totalmente seco. Nos 122 km do rio entre nascente e foz, há muita oscilação em seu estado de sobrevivência. 
Nessa parte, quando o rio Paraíba do Meio desponta vindo do município de Saloá, passando pela zona rural de Terezinha, está totalmente seco. Sem a preservação da mata ciliar (formação vegetal localizada nas margens dos córregos, lagos, represas e nascentes. Também é conhecida como mata de galeria, mata de várzea, vegetação ou floresta ripária), o rio agoniza.

Essa ponte faz a ligação dos municípios de Bom Conselho e Lagoa do Ouro e por baixo passa o rio Paraíba do Meio, já com a mistura da água do rio Papacacinha, já que os dois se encontram há 50 metros antes dessa ponte. 
É bom lembrar que essa estrada é uma rodovia estadual que nunca foi asfaltada pelo governo do estado de Pernambuco. Entra governo, sai governo, a PE-214 permanece no cascalho e na terra. São apenas 35 km que distanciam os dois municípios.
Em todo o leito do rio Paraíba do Meio existem vários tipos de rochas sedimentares. Em alguns pontos, por exemplo, barreiras feitas de sacos de areia servem para tornar-se em criatório de peixes. Se o rio fosse mais cuidado alavancava ainda mais a subsistência dos ribeirinhos através da pescaria.

Quando o rio Paraíba do Meio se encontra com os rios Papacacinha e Caborge na região do distrito de Barra do Brejo, logo aparece caldeirões e poças d'água suficientes para mudar a vegetação do seu leito. 
Nesse trecho, o acúmulo d´água serve para criar peixes e plantas aquáticas que são aquelas que se adaptaram à vida em ambientes aquáticos (marinhos e dulçaquícolas) ocupando um conjunto de habitats que requerem mecanismos específicos de vida em submersão ou à superfície da água.

Aproveitando que nesse local do rio do Paraíba do Meio a gente pode ficar a vontade e parar para refletir, resolvi fazer esse registro, afinal, a natureza me fascina. As rochas sedimentares marcam em alguns momentos as suas geoformas e suas variações conforme sua localização dentro do leito do rio. 

Para esse local, em tempos de cheias, o rio chega há uma variação de 30 a 50 metros de largura e com uma profundidade superior a 30 metros. Com isso, comunidades e cidades ribeirinhas sofrem com as cheias do rio, geralmente nos períodos de trovoadas em sua cabeceira.

Nenhum comentário:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE