CACHOEIRA DO SÍTIO COEMA EM SALOÁ, ONDE A NATUREZA AFLORA COM SEUS ENCANTOS (PARTE 02) - CLÁUDIO ANDRÉ - O POETA

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Ultimas!

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

sábado, 5 de maio de 2018

CACHOEIRA DO SÍTIO COEMA EM SALOÁ, ONDE A NATUREZA AFLORA COM SEUS ENCANTOS (PARTE 02)

Antes da queda d'água, a correnteza é muito calma pelo riacho que recebe o nome da cachoeira. Mesmo que dejetos de um dos povoados do município de Saloá que cai na água corrente, quando se chega no ápice da cachoeira, a água já tem outra tonalidade.
Segundo moradores da região é recomendável o banho, menos o consumo humano. O riacho que jorra água pelas pedras tem a função de filtrar a água até sua queda de 80 metros de altura.
Para onde você olhar, a força da natureza escorre aos nossos olhos. Com a força da água e do vento, as pedras ficam com um acabamento intocável.

 
O colorido das pedras é um capítulo à parte. A vegetação cravada nas rochas, deixa ainda mais o lugar bucólico. Andar entre as pedras faz-no lembrar a vida do homem pré-histórico.
Antes da principal cachoeira, outras se formam naturalmente ao meio da vegetação de caatinga.
O som das águas, o cheiro de mato verde, temperatura em torno dos 25 graus, enfim, são situações vividas durante o tour pela meio da caatinga no Sítio do Coema, na zona rural de Saloá.
Nesse ângulo, percebe-se que a formação rochosa com formato de caverna, fica bem ao lado da queda d'água, deixando a Cachoeira do Coema bem mais vistosa.


A mistura de cores das rochas por onde a água do Riacho do Coema passa, faz o ambiente ficar interessante.
A Mata ciliar é a formação vegetal localizada nas margens dos córregos, lagos, represas e nascentes. Também é conhecida como mata de galeria, mata de várzea, vegetação ou floresta ripária.
A água e o vento fizeram um caldeirão em cima da rocha de onde cai a água que se transforma numa cachoeira.
A vegetação de caatinga que rodeia a cachoeira está formada de macambira e catingueira rasteira.
Caldeirões desse tipo é definido diante da sua concavidade de suas rochas que acumulam água e que apresentam um grande significado devido ao seu contexto histórico da região, podendo assim tornar-se numa beleza natural e de grande valor.
Para os amantes da prática do rappel, a Cachoeira do Coema é um lugar ideal, pois, os 80 metros para escalar, precisa-se muita coragem e adrenalina.
A parede que divide as poças d'água, ao mesmo tempo deixa um espaço contemplativo diante de sua vista panorâmica.
A correnteza acanhada em cima, mas, quando estamos em baixo da rocha, o espetáculo natural é sensacional.
Queda d'água se formando de um lado, caldeirão com água, de outro. Ventilação na casa dos 25 graus centígrados.
Essa é penúltima queda, antes de visualizarmos a frente da cachoeira, A água que escorrega pelas pedras faz uma sonorização espetacular.

Nesse local que estou indicando na foto, é um caldeirão sem água, mas, que no período da chuva aumenta a vazão e fica cheio d'água.
De qualquer ângulo a beleza é sensacional!
Uma pena que as estradas de acesso não são lá essas coisas. 

Desse local, pode-se visualizar o Sítio Angico na zona rural de Bom Conselho. De Bom Conselho-Saloá = 25 km, + 10 km de Saloá até a Cachoeira do Sítio Coema.

SAIBA MAIS NA PRÓXIMA POSTAGEM...

Nenhum comentário:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE