O CANGAÇO E A SERRA DO UMBUZEIRO SÃO ATRATIVOS TURÍSTICOS QUE VOCÊ DEVE CONHECER NA BAHIA - CLÁUDIO ANDRÉ - O POETA

Ultimas!

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

quarta-feira, 30 de setembro de 2020

O CANGAÇO E A SERRA DO UMBUZEIRO SÃO ATRATIVOS TURÍSTICOS QUE VOCÊ DEVE CONHECER NA BAHIA

 

Norte da Bahia, um lugar cheio de histórias e que é berço do cangaço nos anos 30. Estive tempos atrás percorrendo essa região e nossa parada foi no sítio Malhada da Caiçara, terra natal do grande amor de Virgulino Ferreira - Lampião.

Há 70 km da cidade de Paulo Afonso/BA, estive na cidade de Santa Brígida e por lá fizemos um tour pela serra do Galeão, onde está visível que há milhões de anos a região passou por um acidente geológico.

A construção — uma casa de reboco de 50 metros quadrados — abrigou a cangaceira Maria de Déa de 1911 a 1929, quando ela conheceu Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião. Depois de passar por uma restauração, o imóvel virou ponto turístico da cidade, em 2006. Até hoje na vizinhança da casa ainda vivem os parentes da família de Maria Bonita.

No museu casa de Maria Bonita, estão expostos alguns objetos da família, da história de Maria Bonita e reproduções de fotos dos cangaceiros. Há uma foto na parede em que mostra ela com anéis de ouro nos dedos e ouro no lenço de pescoço. Vale ressaltar que Maria Bonita gostava de se manter bem arrumada mesmo com a imagem atípica de uma fugitiva em esconderijos.

No município de Santa Brígida, norte baiano, encontramos o sítio arqueológico Circo Velho, onde as formações rochosas e com marcas do homem pré-histórico está dentro de uma reserva de caatinga particular.

Até chegar ao nosso destino, percorremos belíssimas paisagens e passamos literalmente pela história do cangaço no Brasil. Entre rios, pedras e caminhos do sertão fomos conhecendo de perto tudo sobre essa fantástica história.

Passados 82 anos da morte do principal líder do cangaço, Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, a aura de heroísmo que durante algum tempo tentou-se atribuir aos cangaceiros cede terreno para uma interpretação menos idealizada do fenômeno. Quanto mais se ler e mais se pesquisa, mais perguntas surgem sobre a vida que teve o rei do Cangaço e sua amada, Maria Bonita.

Maria Gomes de Oliveira nasceu e cresceu no povoado Malhada da Caiçara, que se localiza no município Paulo Afonso, na época município Glória, na Bahia. Depois de um casamento fracassado, no qual não gerou filhos, em 1929 tornou-se a namorada Lampião, o “Rei do Cangaço”. Morando na chácara dos pais, um ano depois do namoro ela foi chamada por Lampião para fazer efetivamente parte do bando de cangaceiros, se tornando a mulher dele, com quem viveria por oito anos. A cidade de Canindé do São Francisco tornou-se refúgio do casal de cangaceiros.

Maria Bonita morreu em 28 de julho de 1938, quando o bando acampado na Grota de Angicos, em Poço Redondo (Sergipe), foi atacado de surpresa pela polícia armada oficial (conhecida como “volante”). Foi degolada ainda viva, assim como Lampião, porém este já morto, e outros nove cangaceiros. O mirante da hidroelétrica de Xingó, é visível como é o tipo de vegetação que naquela época, Lampião e sua tropa enfrentaram aos longo dos 20 anos de cangaço.

No final do meu tour pelo sertão baiano, me deparei com um dos lugares mais bonitos que já conheci em todas as minhas andanças, a serra do Umbuzeiro, até parece que você está em outro planeta, pela sua geoforma e estilo de formação rochosa.

Nenhum comentário: