Inundações das cidades revelam inoperância na gestão pública (por PIÚTA) - CLÁUDIO ANDRÉ - O POETA

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Ultimas!

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Inundações das cidades revelam inoperância na gestão pública (por PIÚTA)

Alexandre Piúta


                Segunda-feira, 10.02, o país acordou com o noticiário das águas que caíram na madrugada e manhã na cidade de São Paulo. O nó na cidade começou cedo, pela madrugada, já estava difícil se movimentar, pois a dificuldade já era a impossibilidade de transitar em alguns bairros. O prenúncio era de que o dia seria muito difícil e foi.
                São Paulo é a maior cidade do país e uma das maiores do mundo. Mas padece dos mesmos males de muitas cidades do país. Os rios Tietê e Pinheiros que cruzam a cidade sofrem com a falta de tratamento e de cuidados, somam-se a eles outros menores, mas com o mesmo poder de parar a cidade, como o Tamanduateí.
O dia, para quem tinha negócios e reuniões foi de ficar em casa ou nos hotéis, pois a cidade parou e, nesses casos o melhor remédio e pensar no conselho dos ingleses para situações de estresse “Keep calm”, então, a calma foi o remédio para esperar o tempo melhorar e voltar ao trabalho somente no dia seguinte.
Este mês os efeitos das chuvas foram sentidos em várias cidades, primeiro em Belo Horizonte com cenas de enchentes, deslizamento de barreiras, mortes de 55 pessoas e muitas perdas materiais. No Espírito Santo seguiu o mesmo roteiro: chuvas torrenciais, desabamentos e mortes.
No Rio de janeiro a situação parece pior, lá, além das chuvas, a cidade vive há mais de mês com dificuldade no fornecimento d’água para a cidade que é a segunda maior do país.
Se trouxermos a situação para perto de nós, será fácil perceber que a nossa capital, Recife, padece do mesmo mal, O Rio Capibaribe agoniza com esgoto jogado todos os dias no seu leito e, quando chove, ah quando chove! Só mesmo morando na cidade para sentir a situação.
O estrago vivido por São Paulo, pelo seu tamanho e importância econômica, repercute na velocidade e impacto similares a sua influência, com cobranças sobre o que será feito para melhorar e evitar novas situações. 
Interessante nesses momentos são as opiniões e sugestões, que vão das aumentar as calhas dos rios ao que chamam de espaços para escoamentos e reabertura de rios fechados há décadas. 
Situações sabidas por técnicos e gestores públicos, mas nunca resolvidas, pois mesmo os piscinões não resolvem os alagamentos. Isto tudo na maior metrópole do país, imagine em cidades menores, onde a fiscalização, a imprensa e a opinião pública tendem a ser mais tolerantes.
                O país acompanha há décadas o desmando coletivo de administradores públicos. Em seguidas tragédias, a falta de compromisso e de responsabilidade daqueles que deveriam cuidar do bem-estar da população ressalta aos olhos dos mortais comuns, mas os governos insistem em não ver nem cuidar.

Nenhum comentário:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE