IMPROBIDADE: PREFEITO GASTA QUASE 8 MIL REAIS COM FOTOGRAFIA E QUADROS - CLÁUDIO ANDRÉ - O POETA

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Ultimas!

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

DISTRIBUIDORA SÃO MARCOS - A Nº 1 DE BOM CONSELHO

quinta-feira, 2 de maio de 2019

IMPROBIDADE: PREFEITO GASTA QUASE 8 MIL REAIS COM FOTOGRAFIA E QUADROS


Prefeito de Paranatinga, Josimar Marques Barbosa (MDB), o 'Marquinhos do Dedé' 

O prefeito de Paranatinga, a 411 km de Cuiabá, Josimar Marques Barbosa (MDB), virou réu em uma ação de improbidade administrativa por afixar quadros com fotos dele nos órgãos públicos e unidades de saúde do município. O G1 tentou, mas não conseguiu contato com o prefeito até a publicação desta reportagem.

A denúncia do Ministério Público Estadual (MPE) foi aceita pelo juiz Carlos Eduardo de Moraes e Silva, da Primeira Vara Criminal e Cível do município, e a decisão foi publicada na terça-feira (30).

Consta na decisão que o MP havia notificado o prefeito a retirar as fotografias, mas que ele teria se negado ao alegar que não se tratava , por não se tratar de promoção pessoal e que teria gastado R$ 7,8 mil com os quadros.

O JUIZ DEU O PRAZO DE 15 DIAS PARA QUE O PREFEITO SE MANIFESTE.
Em 2017, a Justiça havia determinado que o prefeito retirasse todos os quadros das repartições públicas, exceto da prefeitura, do gabinete do prefeito e das secretarias municipais.

Para o MP, a atitude do prefeito viola os princípios da impessoalidade e moralidade.

Ao MP, o prefeito alegou que o ato impugnado não configura promoção pessoal e que fotografias oficiais dos chefes do executivo fazem parte de uma tradição entre as sedes dos órgãos públicos do Brasil e que todos os outros prefeitos anteriores do município também se utilizavam dessa prática.
O Ministério Público, por sua vez, defende a quebra de velhos costumes e que esses paradigmas levam a questionar a legalidade, moralidade, honestidade e probidade do ato.

“É fundamental que a análise do caso trazido a juízo seja feita sob essa nova roupagem com o trato com a coisa pública, não nos deixando ser enfeitiçados pelos maus costumes que felizmente estamos conseguindo romper, com uma sociedade esclarecida, um Ministério Público independente, um Judiciário imparcial e os demais poderes voltados para o interesse público”, argumenta.

por Beira Rio Notícias

Nenhum comentário:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE